Eleições ameaçam o crescimento da economia em 2022-Notícias-R7 Economia

A-A + Expectativas apontam para alta de 0,5% do PIB em 2022

Expectativas apontam para alta de 0,5% do PIB em 2022

Marcello Casal JrAgency Brazil-9/16/2021

A misture entre juros altos, inflação e coronavirus vencerão as Eleições 2022 como uma ameaça adicional ao crescimento de PIB (Produto Interno Bruto) -soma de bens e serviços produzidos no país-no próximo ano.

A dúvida leva em conta que as incertezas trazidas durante os pleitos, principalmente as que envolvem possíveis mudanças no Executivo, criam dúvidas em relação ao futuro e sempre colocam em risco o crescimento expectativas da economia.

“Eleições trazem uma certa incerteza para o crescimento, com um grande impacto nos investimentos, que são afetados em tempos de incerteza e trocas governamentais”, diz Patricia Krause economista-chefe da Coface para a América Latina.

Veja também

Para Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, a disputa acirrada deve impactar ainda mais as incertezas. “2022 é ano eleitoral, no qual, historicamente, há pequenos avanços nas necessárias reformas estruturantes para melhoria do ambiente fiscal, que devem ser amplificadas pelo atual ambiente político dicotomico”, avalia.

Patrícia destaca que a votação também pode trazer volatilidade cambial. “Isso pode ser um efeito e até um risco para a questão inflacionária de 2022”, observa ela enquanto comemorava a independência do BC (Banco Central) pela primeira vez em um período eleitoral.

As percepções são confirmadas pelas expectativas apresentadas semanalmente pelo BC (Banco Central), que já preveem um alto de apenas 0,5% do PIB no próximo ano. “Essa sinalização indica que só repousaremos as perdas causadas pela pandemia”, diz Sanchez.

Rachel de Sá, chefe de economia da Rico Investimentos, por sua vez, prevê que as perdas causadas pela pandemia já serão revertidas neste ano, apesar da recessão técnica, e o desafio é manter a atividade alta em 2022.

” Nossa expectativa é de crescimento zero do PIB em 2020, de que não haverá avanço e nem contração da economia. Alguns setores devem ter uma retração importante, mas o agropecuário, que passou mal este ano, deve apresentar uma recuperação forte “, analisa Rachel.

Open chat
online