Vitória da Conquista lidera o número de casos e mortes por Dengue na Bahia

SAÚDE

Vitória da Conquista, BA – Com um alarmante total de 12.304 casos prováveis de Dengue e a confirmação de cinco mortes pela doença, o município de Vitória da Conquista enfrenta um cenário de saúde pública desafiador. A situação levou a Câmara Técnica Estadual a emitir um alerta urgente, instando a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) a recomendar medidas emergenciais para conter a propagação do vírus.

A Sesab emitiu recomendações urgentes para que o município intensifique suas ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, vetor da Dengue, e amplie o horário de funcionamento dos postos de saúde, incluindo os finais de semana e feriados, visando assegurar a assistência adequada aos pacientes com suspeita da doença.

Um ofício direcionado à prefeitura sugeriu a instalação imediata de unidades de referência para acolhimento, notificação, coleta de amostras e encaminhamento para unidades hospitalares quando necessário. No entanto, as medidas propostas ainda não foram plenamente adotadas pelo município.

Vitória da Conquista registra mais que o dobro do número de casos de Dengue em comparação com Salvador (5.092) e quase quatro vezes mais o número de notificações de Feira de Santana (3.270). Esta disparidade ressalta a gravidade da situação no município.

A falta de unidades de assistência municipal tem resultado em superlotação na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) estadual de Vitória da Conquista. Embora a unidade esteja disponível para atender cidadãos de qualquer origem, os residentes de Vitória da Conquista respondem por mais de 97% dos atendimentos. Alarmantemente, 61% desses atendimentos são casos menos urgentes que deveriam ser gerenciados pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS) municipais.

O Governo do Estado da Bahia tem investido mais de R$ 19 milhões em esforços para combater a Dengue, incluindo aquisição de veículos de fumacê, distribuição de kits para agentes de endemias, medicamentos e iniciativas de capacitação para profissionais de saúde. Em Vitória da Conquista, foram liberados veículos de fumacê entre os meses de agosto a novembro de 2023, e somente em 2024, dez veículos estiveram no município nos meses de fevereiro e março. Isso reflete uma dependência excessiva dessa iniciativa, que é vista como último recurso de ação, evidenciando uma gestão reativa em vez de proativa no combate à doença.

Ademais, o Estado já abriu 20 leitos de hidratação para acolher pacientes, mas a insuficiência na atenção primária em Vitória da Conquista é evidente, com as Unidades Básicas de Saúde atuando em horário limitado, o que não atende à demanda da população. Essa lacuna na assistência primária contribui diretamente para a sobrecarga da UPA estadual, especialmente exacerbada pela epidemia de Dengue, indicando uma necessidade urgente de ações municipais mais eficazes no controle vetorial e na oferta de serviços de saúde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *